FORD MOTORS COMPANY DO BRASIL

A Empresa


Fazendo história desde meados de 1900, no Brasil, a Ford começou seus primeiros investimentos em 1919 e não parou mais de trabalhar no desenvolvimento e na qualificação dos seus produtos e serviços.

No final da década de 90, a FORD projetou e construiu o COMPLEXO INDUSTRIAL FORD NORDESTE, situado em Camaçari (BA), que já produz mais de 850 veículos por dia - 250.000 por ano, inaugurado em outubro de 2001 e que resultou em um investimento de US$ 1.9 bilhão.

A Situação

A utilização de tecnologia de última geração e um dos mais altos níveis de automação seria a característica marcante desse novo complexo, fator chave para o elevado padrão de eficiência e de qualidade desejados para a operação.

Para tanto, o Complexo Ford Nordeste contaria com mais de 500 robôs e sistemas eletromecânicos e eletrônicos de automação, que atuariam em áreas críticas, nos quesitos segurança e qualidade. O complexo também contaria com um modelo de produção inovador, denominado montagem modular seqüenciada, um projeto piloto para a Ford Mundial.

Para este projeto piloto foi definida uma nova forma de gestão do processo de produção, que previa a utilização de Painéis Eletrônicos de grande porte instalados ao longo de todas as linhas de produção.
Pela sua importância no processo, tais painéis deveriam ser capazes de oferecer um alto nível de qualidade e de inteligência, para um “up-time” tão próximo de 100% quanto possível e total integração com os diversos Sistemas de Programação e Controle de Produção, de Manutenção e Logística, de Controle de Qualidade e também de Segurança.

A Solução

Realizada uma concorrência internacional, dada especificação sofisticada dos pré-requisitos do projeto, a Microbase teve a tecnologia de seus Painéis Eletrônicos Multiline™ homologada, tendo surpreendido os responsáveis pela Automação Industrial e Sistemas de Informação com as características de seu produto e, em especial, com a relação de custo x benefício que apresentou.

Foram instalados dezoito painéis eletrônicos de face dupla, especialmente concebidos e produzidos para o projeto FORD, num montante de mais de US$ 500 mil, que não só atenderam plenamente às especificações iniciais, como também ofereceram outras flexibilidades que não haviam sido previstas inicialmente, como por exemplo, o suporte a reprodução de som digital diretamente a partir dos painéis, como meio de sinalização complementar.